24 de novembro de 2012

Das coisas que eu nunca poderia esperar de você

E quando você menos espera, é que as coisas começam a acontecer.

Último SMS. Um aperto no coração serviu para me mostrar que o que eu sentia, bem lá no fundo, não tinha mudado em um dia sequer da minha vida. Eu suava frio e tremia; nunca pensei que chegaríamos a esse momento, nessa situação toda. Eu sempre gostei de coisas difíceis, e sabia que seria impossível algum arrependimento vindo de sua parte. Mas então eu percebi que quando você anda distraída e preocupada com algumas outras coisas, as coisas podem mudar.

Não que elas tenham mudado totalmente. Você não é apaixonado por mim, não estamos juntos e eu ainda continuo pensando em você todos os segundos do meu dia. Eu sempre fui a que corria atrás, enquanto em alguns momentos você curtia e dava bons sinais, e em outros deixava claro que não gostava desse meu jeito possessivo e eu-quero-você-deixa-eu-te-fazer-a-pessoa-mais-feliz-do-mundo. Mas é assim que funciona meu amor, é esse o meu jeito. Eu lia demais coisas como “se você ama, você luta”, e então acabava querendo botar essas coisas em prática. O que as pessoas esqueciam de dizer nesses textos, era que quem ama cansa. E de tanto amar o outro, começa finalmente a amar a si mesmo.

Essas coisas eu aprendi sozinha; não havia nenhum livro de auto-ajuda, texto no tumblr ou frases em fotos do WeHeartIt que diziam isso. A experiência com o sofrimento e a decepção me fizeram mais forte. Eu mudei. Mudei com as pessoas ao meu redor, com as situações do cotidiano e até comigo mesma. Acho que, por mais que tenha sido difícil no começo, tudo isso resultou em coisas boas. As coisas que você pode aprender numa decepção amorosa são realmente extraordinárias. Quem nunca passou por uma, um dia vai passar. E, consequentemente, vai saber por conta própria como é.

De repente eu me vi sem motivos de continuar tentando. Você com seu novo amor, eu com meus livros e a gente se distanciando mais a cada dia que passava. Pode ser que uma vez ou outra eu tenha falado o quanto gostava de você; era inevitável, e escapava cada vez que eu via a oportunidade. Você admirava minha coragem para falar essas coisas, e eu via que era realmente louca por fazer tanto por alguém que conhecia a tão pouco tempo. Mas alguém que já tinha me despertado sentimentos de uma vida.

A distância virou algo comum, os abraços não existiam mais, e as nossas conversas de horas ficaram somente naquela pasta do meu computador. Nossa música parou de tocar, e quer saber de uma coisa? Eu nunca mais dei play nela. Acho que era misto de “tentativa de te esquecer” com “se eu ouvir, vou chorar”. Não me arrependo disso, nem de ter parado de ver suas redes sociais, ou de pensar em você todos os dias antes de dormir. Isso fez eu começar a pensar e a cuidar mais de mim. Mas uma coisa que não pode ser ignorada: não é porque eu parei de te procurar, que o que eu sinto por você morreu.

Eu achava que sentiria sua falta e que ia sofrer com a distância aproximada - já que te via todos os dias mas nós não nos falávamos. Não foi triste, nem uma coisa que me deixou feliz. Foi normal. Como se um pedaço de mim ainda estivesse lá com você, mas eu não teria que ficar preocupada, porque você estava feliz. E só você sabe o quanto eu torci para que esse dia finalmente chegasse. É realmente estranho o quanto o sorriso de alguém pode mudar sua vida. Desde que seja verdadeiro. Desde que esse alguém seja uma pessoa que você ama de verdade.

Eu parei de pensar em você como antes, mas comecei a pensar no que aconteceria se você começasse a gostar de mim. Ou voltasse atrás. Ou finalmente me quisesse. Ou pedisse desculpas pelo que provocou na minha vida. De todas as alternativas, eu acertei a última. A mais estranha e tentadora, a que mais me deu vontade de voltar atrás e começar tudo outra vez. A que eu nunca pensei que fosse possível acontecer... Mas aconteceu.

Aquela mensagem de texto demorou para chegar, e agora que chegou vai ficar guardada nos rascunhos. Com o resto dos meus textos e frases. Com as mensagens que, mesmo apagadas, ficarão sempre ali para me lembrar de algum momento da minha vida, de alguma coisa que eu passei, ou de quanto as palavras de alguém me fizeram feliz. Mesmo que feliz não seja exatamente a palavra certa para definir minha reação ao ter lido suas palavras. Na verdade foi uma mistura de surpresa com “finalmente”. Finalmente você percebeu o que fez, finalmente viu o quanto eu te amei, finalmente reparou na nossa distância, finalmente falou que gostava mesmo de mim. Mesmo que tenha demorado. Mesmo que eu não tenha sido fria como gostaria de ter sido. Não tem jeito; por mais que sua atitude tenha provocado uma revolta na minha mente, no meu coração aquelas palavras soaram verdadeiras e lindas. Como você, seu sorriso e aquela sua foto do perfil.

Tá vendo só? Lá vou eu começando com meus romantismos. Não, pode deixar. Eu aprendi a me controlar.

Minha resposta demorou para ser enviada. Alguns minutos para ser escrita, revisada, lida, relida e pensada. Será que eu devia mandar desse jeito? Ou tirar aquela frase que não combinou tanto com o texto inteiro? Não seria melhor se eu colocasse uma carinha?

Escrevi, fechei os olhos e mandei. Acho que, pela primeira vez em tanto tempo, não me empenhei tanto para te escrever algo. Minha cabeça dizia que você já não merecia tanto como antes, e eu lembrei que, se nada do que eu já te escrevi adiantou, porque faria diferença agora? Tantos textos e frases jogados ao vento, e essas palavras foram só mais algumas que faziam parte da lista interminável de palavras minhas direcionadas à você.

Te entendi, te desculpei e te falei que ainda sentia o mesmo. Não exatamente desse jeito, mas acho que você percebeu que eu queria dizer isso, né? Não importa, você sabe que eu ainda gosto de você, não dá pra disfarçar. Nem que eu fosse a melhor atriz e a pessoa mais mentirosa do mundo, você deixaria de notar. Você é um dos poucos que conhece meus sentimentos como ninguém.

Guardei o celular, e de você não esperei nenhuma resposta de volta. Acho que foi melhor assim. Nossa última conversa não causou tudo o eu que pensei que poderia causar, e não me fez chorar por horas ouvindo a nossa música, tô falando sério. E isso é bom. Acho que comecei a me conformar com o fim. E com as coisas que acontecem quando ele, finalmente, chega.

Nenhum comentário:

Postar um comentário