15 de dezembro de 2012

A versão dele nessa história

Sei que os homens têm fama de serem monossilábicos, que somos imaturos-insensíveis, mas vocês mulheres não vivem sem nós. E a gente conhece bem aquele episódio onde elas sofrem por causa de meia dúzia de idiotas, eu faço parte dessa meia dúzia que já fiz duas ou três mulheres sofrerem enquanto me curava rápido. Pode parecer simples, mas não é. 

Se alguma vez o amor existe, quando ele acaba não é tão fácil ver a parte frágil desse tripé cair. Eu, ela e o amor. Alguma coisa dá errado e então as garotas sofrem de engordar, de chorar, de se perderem em si mesmas. A primeira diferença: elas só estão tentando se curar.

Eu poderia chorar ou fingir muito bem como sempre fazemos. O que dói em vocês muitas vezes dói em nós também, mas somos fracos demais para ir de encontro a esse tipo de afronta, a esse tipo de dor. E se nos abalamos da mesma forma, preferimos só não agir da mesma maneira (essa é a segunda diferença). 

Das três garotas que fiz sofrer, uma foi a garota da minha vida que eu sinceramente não sei o que aconteceu. Ela enlouqueceu por uns tempos e vive bem agora, entendeu e reverteu como uma exímia jogadora e até hoje, depois de uns dobros de 365, mal faço ideia de onde foi que erramos ou onde tudo terminou. A segunda foi a que eu arranjei para me ajudar com a primeira e o que eu ganhei foi ficar sozinho com a terceira e duas garotas cheias de problemas. A terceira é a minha mãe e ela sabia que não deveria me abraçar e dizer palavras consoladoras, acho que só elas sabem que quando um homem percebe a besteira que fez ou ele se machuca e vai jogar um futebol ou ele cruza o mundo todo por causa de uma mulher. 

Se eu voltasse no tempo talvez esperaria você ficar completamente bem sem mim e te deixaria, ou apostaria no tempo para te fazer não me querer mais… Existem tantas chances para tantas coisas… Mas queria mesmo que eu fingisse que te amo? E como conclusão todas elas dizem “Esse sofrimento me fortaleceu e me ensinou muita coisa”. Não gata, eu não iria tirar essa chance de você (todo esse renovo interior).

Pode considerar uma desculpa esfarrapada se quiser. 

Meia dúzia de uns bons zeros de homens são uns idiotas que não sentem e não sabem o que fazer, o resto talvez sinta também na pele todo esse teu sofrimento. Garota, sempre chega uma que vai nos fazer ficarmos loucos e pagar por tudo o que nós te fazemos, observe só. E não se esqueçam vocês das melhores amigas que roubam namorados porque nessa história toda só nós somos os “Vilões” e não o “Príncipe Encantado”. Nem vilão, nem príncipe encantado. Depois dessas três quem sabe eu finalmente posso ser o “Garoto da tua rua” que te fará feliz?



A Ágila Cunha é a nova colaboradora do blog, e minha amiga linda. Pelo menos uma vez por semana vocês vão ver textos dela por aqui, espero que gostem! Se quiser saber mais, clica aqui.

Um comentário: