29 de julho de 2013

Confissões para a melhor amiga


Seis meses se passaram, e as pessoas dizem que nesse tempo pode acontecer muita coisa. Será? Fui dormir todas as noites pensando no meu futuro e nos meus sonhos, e então acordava pensando em me dedicar à cada um deles. Estudei? Sim. Fiquei afim de um carinha aleatório? Também. Engordei um pouco e suspeitos para falar me preferem desse jeito. Juntei uma grana e viajei. Olá lugar que eu mal conheço e já amo.

Percebi então que nada tinha mudado por lá. Assim como por aqui. Em meio ano, pessoas podem arranjar um emprego novo, comprar um carro, começar a namorar... ou então não acontecer nada. Como aqui. Como lá. Oitocentos e poucos quilômetros de distância, e eu jurava que nem tinha como eu chegar e ser a mesma coisa, sabe? Mas foi.

No começo eu não queria tanto, você sabe como eu sou complicada. Se eu mesma não me entendo, porque insisto pra tu me entender? Sei lá o misto que foi. Vai ver foi insegurança mais facilidade mais medo do novo. Sem contar o quanto eu gosto de coisa difícil, né? Mas ah... Minha vida sem meus dilemas e loucuras não seria a minha vida. Não seria eu.

Escrevi uma frase no meu diário, e vou te contar: "depois despertou um negócio louco em mim". É. De fuga passei para perseguição. De vontade de estar sozinha, passei para saudade. A partir daí as coisas começaram a ficar difíceis, do jeito que eu gosto. Confesso que eu não entendo como as coisas puderam mudar assim tão rápido. Acho que da cabeça, foi para o coração. Como você mesma diz: essas coisas comigo, acontecem de repente. Ah, esse meu doce e repentino apego...

Rolou. Foi imprevisto, inesperado, e nem um pouco parecido com a última vez. Porque o clima não era o mesmo, o sentimento não era o mesmo, a intensidade não era a mesma. Acho que um dedinho meu lá no começo atrapalhou esse "fim de história", mas fazer o que? Era o que eu sentia na hora, é o que eu sinto agora. Não posso me culpar (esqueça as vezes em que eu me chamei de burra e idiota).

Vamos de mais um clichê: as coisas aconteceram como tinham que acontecer. Isso tudo resultou em pensamentos no caminho da volta, saudade e vontade de mandar mensagem. Ah, resultou também nesse texto. O primeiro que eu fiz sobre essa história, depois de tanto tempo. Pois é, nem precisa me avisar. Acho que já foi para o coração mesmo...

2 comentários:

  1. Muito bom o texto, já disse que amo seu blog e seus posts né? beijos linda :* ♥
    http://sus-pirar.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigadaaa Raquel, fico feliz em saber disso ♥♥

      Excluir