20 de agosto de 2013

Reticências: Que num beijo se consomem


Pra ser sincero, eu me lembro muito pouco do dia em que nos conhecemos. Me lembro de estar bêbado demais e de como você não parava de gargalhar.  Eu tinha acabado de gastar quinze reais naquela festa que cheirava a cigarro e que parecia tocar incessantemente a mesma música. 

Mas que garota biruta, foi o que eu pensei quando te vi dançando freneticamente naquela pista minúscula. Você se jogava de um lado para o outro, acompanhada por dois garotos que se mexiam tanto quanto você. Eu me sentei num sofá meio desgastado e, não sei se pela proximidade das caixas de som ou se pelo tanto de álcool que já tinha ingerido, minha cabeça parecia explodir. Capotei. Então eu preferi pensar que nossa história começou no dia seguinte, quando acordei com um balde de água fria na cara, jogado por uma mulher meio irritada que gritava ordens aos quatro cantos. 

"Acorda, cara." Ela olhou pra mim com aqueles olhos pretos enormes, se virou para trás e soltou um "MAS QUE MERDA" quando um cara magrelo vomitou no chão. Eu não pude deixar de pensar em como a garota da dança eclética da noite passada tinha se transformado na mulher mandona e organizada da manhã seguinte. Eu sei que é loucura, completa insanidade da minha mente pós-ressaca, mas foi aí que eu me apaixonei. 

Foi tudo tão rápido. Eu estava ajudando-os a catar os copos espalhados pela casa e ficava virando minha cabeça para todos os lados, tentando encontrá-la. Pensando em alguma forma de começar uma conversa, mas meus cérebro doía e minha bexigada parecia mais uma torneira desenfreada. E se ela for daquelas garotas românticas que preferem declarações melosas feitas no momento certo ? E se ela tiver namorado ou for casada, ou estiver noiva ? E se ela for lésbica ?  

Então, você me olhou de longe, sorriu e soltou uma gargalhada. E eu não pude evitar de fazer o mesmo. Devemos ter se passado uns dez minutos  naquele jogo. De repente, você estava tão perto que eu conseguia ver minha cara de espanto refletida em seus olhos. 

“Este amor em botão, depois de amadurecer com o hálito do verão, pode se mostrar uma bela flor quando nos encontrarmos novamente, Oh Romeu”* você disse, me fazendo rir com a perspectiva de que você talvez fosse uma daquelas estudantes loucas e obcecadas que recitam versos de poemas como parte de um vocabulário próprio e então, você beijou.


*Romeu e Julieta, Shakespeare


Amanda sempre quis ser outra pessoa. Já teve fake no orkut e se imaginava na pele de pessoas famosas. Até que um dia ela encontrou uma pessoa super legal e decidiu ser aquela lá. Agora ela é a Amanda, que tem 18 anos, é de Minas Gerais e estuda para ser delegada. Ah e claro, é escritora. E esse é o texto dela. Eu achei incrível! E vocês? 


6 comentários:

  1. Adorei o texto!
    Beijoos, retribui a visita?
    the-imperfect-girls.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Acabei de conhecer o blog.
    Adorei o texto.
    *_*
    beijos
    passarelabr.com

    ResponderExcluir
  3. owwwwn que fofa você :) Muito obrigada por postar meu texto aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maginaa Amanda! Pode mandar sempre que quiser :D

      Excluir